Artigos

30 de março de 2022

Cannabis como indutor do sono

A cannabis é amplamente utilizada como auxílio para dormir, tanto recreativamente quanto entre os usuários de forma medicinal (*1). Cerca de 70% dos adultos jovens que usam maconha casualmente relatam que o fazem para ajudá-los a dormir. Entre os usuários de maconha de longo prazo (aqueles que a usam há 10 anos ou mais), cerca de metade usa maconha para melhorar o sono. Entre as pessoas que usam cannabis por razões médicas, como alívio da dor, até 85% dizem que melhoram o sono.

A pesquisa sobre a cannabis como auxílio para dormir ainda está em desenvolvimento. A maconha pode ajudar a aliviar a insônia quando usada ocasionalmente, embora os pesquisadores não tenham certeza se o uso a longo prazo é benéfico ou prejudicial para a qualidade do sono.

A cannabis ajuda a dormir?

A cannabis parece melhorar o sono em certos casos. Para pessoas com certas condiçõe(2), como dor crônica, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e esclerose múltipla, a maconha pode ajudá-los a adormecer mais rápido, acordar menos durante a noite e desfrutar de uma melhor qualidade de sono em geral. Um estudo recente também descobriu que a maconha alivia efetivamente os sintomas de pessoas com síndrome das pernas inquietas (SPI)(3).

Muitas pessoas usam maconha para tratar insônia, ansiedade e dor(4). Entre esses usuários, a eficácia da cannabis para o sono é mais ambivalente, embora um estudo realizado em indivíduos com insônia tenha constatado que muitos participantes relataram alívio de seus sintomas(5) ao usar cannabis.

Alguns estudos encontraram uma distinção entre usuários diários, usuários menos frequentes e não diários em como a maconha afeta seu sono. Aqueles que usam maconha diariamente são mais propensos a relatar mais problemas de sono do que usuários ocasionais ou os que não usam maconha. Usuários não diários relatam menos problemas de sono do que usuários diários e não usuários.

Como a cannabis funciona como um auxílio para dormir?

Acredita-se que os efeitos promotores do sono dos canabinoides são devidos às suas interações com os receptores canabinoides no cérebro. Quando os canabinoides se ligam a esses receptores, eles enviam mensagens para aumentar os níveis de adenosina que promovem o sono e suprimem o sistema de excitação do cérebro. Juntos, esses efeitos podem ajudar os usuários de cannabis a se sentirem sedados ou sonolentos.

A maconha tem vários compostos ativos diferentes, incluindo ∆-9-tetrahidrocanabinol (THC) e canabidiol (CBD). Embora o THC normalmente atue como um sedativo, ele pode ter um efeito estimulante para algumas pessoas, especialmente para aqueles que são novos no uso de maconha ou praqueles que utilizam em doses mais altas. Nesses casos, usar maconha antes de dormir pode resultar em mais tempo para adormecer. O CBD parece promover o estado de alerta (6) em doses mais baixas e a sonolência(7) em doses mais altas. Os efeitos dos dois compostos juntos podem depender da dose e do horário.

Tanto o CBD quanto o THC também podem trazer benefícios para condições crônicas que interferem no sono (*8). Por exemplo, formas sintéticas de THC mostraram potencial para tratar a apneia obstrutiva do sono, reduzir pesadelos relacionados ao TEPT e melhorar o sono de pessoas que vivem com dor crônica. O CBD, por outro lado, pode reduzir os sintomas do distúrbio comportamental do sono REM e da sonolência diurna excessiva.

Ao usar maconha como um auxílio para dormir, os efeitos que você sente podem depender do tipo de cannabis que você está usando. A maconha tem maiores concentrações de THC, o principal componente psicoativo. As plantas de cânhamo têm níveis mais altos de CBD.

A cannabis afeta a qualidade do sono?

Além de ajudá-lo a adormecer mais rápido, a maconha pode alterar sua arquitetura do sono (9), termo que descreve quanto tempo você passa nos diferentes estágios do sono (10). O uso de cannabis a curto prazo parece aumentar o tempo que você passa em sono profundo, estágio que ajuda você a acordar sentindo-se revigorado. No entanto, o THC diminui a quantidade de tempo que você passa no sono de movimento rápido dos olhos (REM), quando você passa mais tempo sonhando, processando emoções e consolidando novas memórias.

A diminuição do sono REM pode trazer alguns benefícios para pessoas com TEPT, uma vez que pesadelos (*11) são um sintoma comum e perturbador. Um estudo sobre mulheres com TEPT descobriu que aquelas com sintomas mais graves de TEPT e com sono ruim eram mais propensas a usar cannabis para ajudá-las a lidar com a situação. Um estudo descobriu que as formas sintéticas de cannabis diminuíram significativamente os pesadelos, ou os interromperam completamente, para indivíduos com TEPT. Alguns participantes deste estudo também relataram ter uma melhor qualidade geral do sono e menos flashbacks diurnos.

Como a cannabis é diferente de outros remédios naturais para dormir?

Como a maconha é considerada uma substância controlada (12), há pesquisas limitadas (13) sobre a segurança e eficácia dos canabinoides em comparação com outros soníferos. Apenas alguns medicamentos sintéticos feitos para imitar o THC, bem como um produto CBD derivado naturalmente, foram aprovados. Estes são prescritos para náuseas e outras condições, mas não para dormir.

Tal como acontece com outros soníferos naturais, é possível que algumas pessoas recorram à cannabis medicinal em um esforço para evitar drogas mais potentes (14), como os opióides. Embora possam ser muito eficazes a curto prazo, muitos medicamentos para dormir prescritos e de venda livre estão associados ao risco de abuso, tolerância ou dependência (15). Alguns soníferos naturais, como a melatonina oral (16) , parecem reduzir a insônia sem fortes efeitos colaterais, enquanto outras opções homeopáticas, como a valeriana (17) , ainda precisam de mais pesquisas.

Riscos e efeitos colaterais do uso de cannabis para dormir

Usada a curto prazo, a maconha pode ajudá-lo a adormecer mais rápido. Especialistas em saúde geralmente não recomendam o uso de soníferos, incluindo maconha, a longo prazo, devido ao potencial de afetar negativamente a qualidade do sono e causar outros efeitos colaterais.

Estudos sugerem que as pessoas que usam maconha como um auxílio para dormir a longo prazo tendem a desenvolver uma tolerância aos seus efeitos sedativos e podem precisar tomar mais para obter os mesmos resultados. O uso pesado de maconha, especialmente a longo prazo, pode ter consequências para o sono (*18) , incluindo:

Menos sono em geral
Menos tempo gasto em sono profundo
Mais tempo para adormecer
Despertares frequentes

Um estudo descobriu que altas doses de THC à noite podem levar a efeitos colaterais indesejados no dia seguinte, como memória prejudicada e sonolência. A abstinência de maconha também pode produzir efeitos colaterais relacionados ao sono, como aumento dos sonhos, devido ao aumento do sono REM (*19) , que antes o THC reduziu. Além da dificuldade em adormecer e menos tempo gasto em sono profundo.

O uso prolongado de maconha também pode ter efeitos colaterais relacionados à saúde. Estudos descobriram que a substância pode reduzir o volume de massa cinzenta no cérebro (20) e, quando fumada, aumentar o risco de bronquite crônica (21) . Especialistas também recomendam que as pessoas evitem o uso de maconha durante a gravidez ou amamentação (*22).

Dicas ao usar cannabis para dormir

Se você planeja experimentar maconha como um auxílio para dormir, seu médico pode fornecer a melhor orientação com base em suas necessidades e histórico médico. No entanto, ajuda a ter uma compreensão das diferentes opções disponíveis.

Que tipo de cannabis usar para dormir

A maconha pode ser fumada, vaporizada, deglutida ou colocada sob a língua como uma tintura sublingual. Cada formato tem vantagens e desvantagens diferentes. Aqueles que estão preocupados com os efeitos da fumaça nos pulmões podem preferir evitar fumar.

Diferentes formas de maconha oferecem biodisponibilidade diferente (23), ou quanto do THC ativo você pode esperar que chegue à corrente sanguínea. A maconha inalada tende a ter alta biodisponibilidade (24), pois o THC entra diretamente no seu sistema. Por outro lado, os comestíveis perdem uma quantidade significativa de THC através do processo digestivo. A maconha inalada pode ter taxas de biodisponibilidade de até 56%, em comparação com 4% a 20% para a maconha ingerida por via oral.

Quando ingerir cannabis para dormir

Na hora de escolher um tipo de cannabis, vale ressaltar que formas diferentes também levam mais ou menos tempo para produzir efeitos. Quando você fuma maconha, geralmente pode sentir os efeitos quase imediatamente, enquanto os comestíveis podem levar mais tempo para fazer efeito, em média 30 min a 1 hora, pois devem passar primeiro pelo sistema digestivo.

Os efeitos da cannabis fumada são altamente variáveis, dependendo da pessoa, da duração da inalação, do número de vezes que é inalada e de outros fatores. Pode ser útil saber que os níveis de THC geralmente atingem o pico após cerca de 10 minutos.

Quais efeitos você pode notar

Como a cannabis vem em uma variedade de cepas e afeta a todos de maneira diferente (*25) , talvez seja necessário experimentar antes de encontrar o formato, a dosagem e o horário que funcionem para você. O THC é uma droga psicoativa que tende a ter outros efeitos além de promover o sono. Você pode se sentir sonolento, relaxado, eufórico ou energizado.

Ao usar canabinoides (26), alguns usuários também podem sentir tontura, náusea, fadiga, boca seca, vômito, confusão, perda de equilíbrio ou alucinações. Você também pode sentir ansiedade, ataques de pânico ou paranoia (27) .

O uso de maconha pode não ser uma boa ideia para crianças e adolescentes, pois o uso de maconha tem sido associado a mudanças no cérebro em desenvolvimento (*28) .

Decidindo se a cannabis é certa para você

Usar ou não cannabis para dormir é uma decisão altamente pessoal. Formas sintéticas de maconha parecem aliviar pesadelos e insônia, mas alguns pesquisadores alertam sobre as limitações desses estudos (*29) e os riscos potenciais do uso da maconha até que a dosagem seja mais padronizada.

Muitas pessoas usam maconha para controlar com sucesso sua dor e insônia (*30). No entanto, algumas pessoas acham que isso as faz se sentir mais paranóicas ou ansiosas. Se você não gosta da sensação de estar chapado, uma variedade com maior quantidade de CBD pode ser uma opção melhor para você.

Sobre André Freitas Cavallini

Médico formado pela Universidade Cidade de São Paulo com residência médica pelo Núcleo de Otorrinolaringologia, Cirurgia de Cabeça e Pescoço, e Medicina do Sono de São Paulo. Certificado Internacional em terapias à base de Cannabis pelo GreenFlower Academy. Membro da Associação Brasileira das Indústrias da Cannabis (ABICANN).

Diretor técnico da Clínica Gravital – Unidade Sorocaba. Precursor em terapias à base de cannabis com atuação em diversas enfermidades como, dor crônica, doenças neurodegenerativas (Alzheimer/Parkinson/Esclerose Múltipla), Transtorno do Espectro Autista (TEA), Distúrbios do Sono, epilepsias, distúrbios da Articulação Têmporo-Mandibular, Ansiedade/Depressão, Síndromes Intestinais, Cefaleias e Doenças Autoimunes