Artigos

19 de março de 2024

Caso Playcenter e Cacau Show traz à tona erros e acertos cometidos em compra e venda de empresas.

A recém-aquisição de todas as marcas do Grupo Playcenter, um dos pioneiros em parques de diversão no Brasil, pela Cacau Show levantou uma questão importante no mercado de transações empresariais: quais são os pontos de atenção na hora de fechar uma negociação de compra e venda?

Apesar da alegria dos brasileiros ao ver unidos dois dos setores queridinhos da população, o que chama atenção de leigos e especialistas é entender com um pouco mais de detalhes a condução de transações milionárias como esta.

Reunimos 5 acertos e 5 erros bastante comuns nestes tipos de transações. Confira:

5 erros principais:

Não controlar a ansiedade. “Isso pode resultar em um preço pior e piores condições de negócios”, afirma Vinícius Camargo Silva, advogado, consultor e especialista em fusões e aquisições empresariais;


 Deixar de avaliar com detalhes as condições da empresa a ser adquirida - ativos, passivos, contingências, dívidas, processos. Quem negligencia esses dados pode comprar gato por lebre. 


⁠Não pegar garantias do preço - especialmente do preço a prazo. Isso pode significar vender sem receber. 


Examinar os contratos com desatenção: “Os detalhes fazem toda diferença nesse tipo de negócio. Uma cláusula errada ou omitida, ou um detalhe negligenciado pode importar em prejuízo; uma série de detalhes pode significar uma catástrofe”, afirma o especialista.


⁠Não marcar exatamente a data em que entra o comprador e sai o vendedor. Em situações como esta, o risco pode significar responder pelo período de administração/gestão do outro.

5 grandes acertos:

Avaliar sempre (e antes de qualquer contratação) a melhor estrutura para o negócio, em termos financeiros, jurídicos e fiscais.


“Ter o máximo de atenção em relação aos contratos durante a mesa de negociação e no momento da elaboração dos contratos. Assim, evitará problemas futuros. Um contrato ruim, superficial ou de má qualidade técnica não dará uma boa base para discussões futuras. O contrato é o elemento fundamental nesse tipo de negócio”, garante Silva.


Ter um contrato de sigilo e confidencialidade assinado antes que as partes envolvidas comecem a trocar informações sigilosas e confidenciais sobre o negócio.


⁠Fazer sempre os processos de auditoria contábil, financeira e jurídica antes de assinar os contratos definitivos. Esses processos são conhecidos como due e legal diligence.


“Realizar um monitoramento eficiente das obrigações pós-contratuais, ou seja, daquelas que serão cumpridas depois do negócio celebrado. Essa gestão evita indenizações, multas e outras dores de cabeça”, afirma o especialista.

Sobre o especialista

Vinícius Camargo Silva é advogado, consultor de empresas, mestre em Direito pela PUC-SP, pesquisador do Governo Federal na área Jurídica (CNPQ 1999-2001), palestrante e conferencista, com atuação em todo o território nacional na área do direito de empresas.

Contatos para imprensa
OS2 Comunicação
Jornalista responsável: Thaís da Silveira
Contato: Simone Coelho
(11) 9.9991.1641
simone.coelho@os2comunicacao.com.br

Array